Favas à Algarvia

Esta é a versão de Favas à Algarvia, sem chouriça mas igualmente com muito sabor.
Garanto que vão adorar!

Ingredientes de Favas à Algarvia (para 2/3pessoas):
1,5kg de favas frescas
1 cebola picada
3 ou 4 alhos picados
200g de carne de porco (limpa de gorduras visíveis), aos quadrados
4 colheres de sopa de azeite
1 mão cheia de coentros frescos picados
2 chávena de água
sal com moderação
pimenta preta q.b.

Preparação das favas à algarvia:

Numa panela grande, coloque a cebola e os alhos a refogar sob lume brando. Junte a carne e deixar alourar.
Adicione então as favas, pouco a pouco, mexendo para as cobrir com o azeite, a cebola, alhos e carne. Juntar uma mão cheia de coentros, devidamente lavados e desinfectados com água e vinagre, e colocar a tampa.

Pegue na panela e dê uma “sacudidela” de forma a misturar todos os sabores. Juntar então a água, pouco a pouco até ficar quase a cobrir as favas, e deixar cozinhar em lume muito brando durante cerca de 30 – 40 minutos.
No fim, juntar mais coentros frescos picados. Servir com uma salada.

Delicioso!

Bacalhau Confitado com Salicórnia e puré de Pastinaca

Receita

Número de Pessoas: 2 pessoas
Tempo de Preparação: 60 min
Dificuldade: Fácil

Ingredientes
2 Postas de Bacalhau demolhado
150 gr (+/- 2 uni) Pastinaca
100 gr Salicórnia
300 ml Azeite
15 gr Manteiga
20 ml Leite
2 dentes de Alho
2 folhas Louro
2 raminhos Alecrim e Tomilho
Rebentos de Mostarda
Rebentos de Cebolinho
Sal e Pimenta

Preparação
1. Comece por limpar a posta de bacalhau retirando as espinhas de lado. De seguida para confitar o bacalhau coloque este num tacho juntamente com o azeite, os dentes de alho, o louro, alecrim, o tomilho e deixe em lume brando durante 40 min.
2. Descasque a pastinaca e corte em pedaços grosseiros. Coloque num tacho com um pouco de água temperada com sal e pimenta. Deixe cozer até desfazer. Passe pelo passe-vite ou apenas com a varinha mágica. Leve novamente ao lume com uma noz de manteiga. De seguida verta o puré, adicione 1 gema e o leite mexendo energeticamente com uma vara.
3. Ferva em água a Salicórnia durante 1 min e arrefeça de imediato com água fria. Antes de servir salteie em azeite com um pouco de alho.
4. Comece o empratamento com o puré de pastinaca, de seguida a salicórnia e coloque o bacalhau sobre estes. Utilize o alho, o louro, o alecrim e tomilho para decoração bem como os rebentos de mostarda e cebolinho.

Não sabe o que é:
Salicórnia
Planta que cresce nas salinas, é comestível e poderá ser a nova opção de tempero na alimentação, em alternativa ao sal. Nasce de forma espontânea, é natural e halófita – por suportar grandes níveis de salinidade.

Peras Salteadas com Morangos e Nozes

INGREDIENTES:
3peras
2colheres de sopa de azeite
2colheres de sopa de açúcar
200gmorangos
1/2limão
30gmiolo de noz

Orientações


Descasque as peras e corte-as em gomos, eliminando os caroços.

Aloure as peras numa frigideira no azeite quente, salpique com o açúcar e deixe caramelizar, mexendo de vez em quando.

Adicione os morangos, lavados e cortados em pedaços. Regue com o sumo do limão.

Retire do lume, distribua pelos pratos de serviço e salpique com as nozes grosseiramente picadas.

Enfeite com raspa da casca de limão.

Dica: Pode substituir o açúcar por mel.

Frango com Gengibre e Limão

Ingredientes:
Frango – 1 (cortado em pedaços)
Cebola – 1 (picada)
Gengibre – 1 pedaço de cerca de 5 cm (descascado e picado)
Limão – 1 (cortado em meias-luas finas)
Tomate-cereja – 250 g
Coentros frescos – q.b. (picados)
Salsa fresca – q.b. (picada)
Louro – 1 folha
Azeitonas pretas – 1 chávena (descaroçadas)
Farinha – q.b.
Azeite – q.b.
Sal – q.b.
Pimenta – q.b.

Modo de Fazer:
Tempere os pedaços de frango com sal e pimenta e reserve.

Aqueça um fio de azeite num tacho, adicione a cebola picada e deixe cozinhar até se apresentar macia. Junte o gengibre e os pedaços de frango e deixe-os dourar de todos os lados. Polvilhe com um pouco de farinha e misture.

Cubra o frango, quase na totalidade, com água, adicione o limão, a folha de louro, as azeitonas, os coentros e a salsa picada. Tape o tacho e deixe cozinhar por cerca de 30 minutos.
Acrescente os tomates-cereja e cozinhe por mais 15 minutos.
Rectifique os termperos de sal e pimenta, polvilhe com um pouco mais de salsa e coentros picados e retire do lume.
Sirva quentinho.

Delicie-se!

Bolo de Abacaxi

Este é um bolo que sempre, ainda hoje vou a casa da minha tia e encontro-o sempre em cima da mesa e o bolo de marca da minha tia.
Só de pensar e escrever sobre ele me da vontade de ligar ” Tia há bolo de Abacaxi?!”

Aqui vai a receita da minha tia com o toque especial dela.

Ingredientes (4 pessoas)
  • 200 g de açúcar amarelo
  • 6 ovos
  • 80 g de margarina Vaqueiro
  • 2,5 dl de natas
  • 1 Abacaxi
  • 250 g de farinha
  • 1 colher de sobremesa de fermento em pó
Preparação

Retire 2 colheres de sopa ao açúcar e bata o restante com as gemas até obter um creme fofo. Junte a margarina Vaqueiro e misture muito bem.
Deixe 4 fatias, corte 2 em pedacinhos pequenos e triture o restante com um pouco de natas ate fazer uma pasta
Bata ligeiramente as restantes natas com as 2 colheres de sopa de açúcar ,depois junte a pasta .
Adicione o ananás em pedacinhos ao creme das gemas e misture-lhe suavemente as natas.
Bata as claras em castelo bem firme e junte tudo, alternando com a farinha com o fermento. Deite numa forma, com cerca de 22 cm de diâmetro, untada com margarina Vaqueiro e polvilhada com farinha e coza em forno moderado (200º C) durante cerca de 50 minutos. Quando o bolo começar a ficar dourado dê-lhe vários golpes na superfície com uma faca pontiaguda (como se estivesse a cortar em fatias). 
Desenforme e enfeite com as rodelas de ananás que guardou.

Como Fazer Chucrute de Repolho

Já deve ter ouvido falar sobre probióticos , sobre kefir e sobre o kombucha. Agora vou falor sobre como fazer chucrute de repolho, sim o chucrute também é um probiótico fermentado com vários beneficiosos a saúde e principalmente ao nosso intestino. O chucrute nada mais é do que uma conserva fermentada. Eu aprendi como fazer chucrute de repolho para comer puro, acompanhado, (é o meu preferido), ajuda a matar a fome e não atrapalha a dieta.

COMO FAZER CHUCRUTE DE REPOLHO


Ingredientes:


1 cabeça de repolho
1 a 3 colheres (sopa) sal (essa médida é para cada unidade de repolho/couve)

Modo de Preparo


Rale ou fatie o repolho sem usar o miolo.
Coloque dentro de uma recipiente bem grande e adicione o sal.
Com as mãos bem limpas, amasse o repolho por uns 10 minutos, até que saia bastante líquido e ele fique murcho.
Passe o repolho para um pote de vidro esterilizado, pressione o repolho bem com um amassador de alho ou com as mãos. Lembrando de deixar dois dedos de espaço entre o repolho e a tampa.
Com uma folha de repolho dobrada ou enrolada, coloque sobre o repolho fatiado e aperte bem.
Despeje o liquido e se necessário.
Tampe o frasco com um pano ou coloque uma tampa, mas sem fechar hermeticamente (tem que deixar espaço para o gás da fermentação sair… –
Deixe os potes dentro de uma forma forrada com papel toalha ou com um pano. Deixe fermentar em temperatura ambiente durante 2 semanas até se obter o sabor e textura desejados.
A cada 5 dias troque o papel toalha por causa do liquido que terá transbordado.
Após 2 semanas, abra o pote, sinta o cheiro e prove o sabor, se estiver do seu agrado é só dividir em potes e levar a geladeira.
O cheiro é azedo e o gosto é forte, comer como acompanhamento ou em salada é uma maravilha.
Pode ser conservado por meses dentro do frio.

OBSERVAÇÕES E CUIDADOS COM O CHUCRUTE
Se por acaso o vidro não for bem tampado o seu chucrute pode acabar criando mofo.
O sal deve ser acrescentado para que possa ser conservado, caso contrario o seu chucrute criará fungos.
Tente sempre utilizar repolho fresco para fazer o chucrute.
Pode ser usado o repolho roxo ou o verde.

VARIAÇÕES:
Para um sabor mais diferenciado, adicione as sementes de cominho, ervas, gengibre ou gergelim.
Se preferir adicione outros vegetais como (cenoura picada, maçã, acelga, pepino etc.), para acrescentar use 1/4 da quantidade do repolho.

Sopa cenoura e couve romanesca

INGREDIENTES

3 c de Sopa azeite
200g Cebola picada
650g Cenoura picada
300g Couve Romanesca
800ml Caldo legumes caseiro*
100ml Sumo laranja
200g Couve romanesco cortada em pedaços
1ud Laranja (raspa)
Qb Sal

Modo de preparação:

Num tacho aquecer o azeite e refogar a cebola 2 a 3 minutos. Juntar a cenoura e a couve e refogar 4 a 5 minutos. Temperar com sal e juntar o caldo de legumes. Cozer cerca de 10 minutos em lume brando.

Num tacho com água a ferver temperada com sal cozer o romanesco 4 a 5 minutos. Escorrer e reservar.

Finalizar a sopa com a raspa e sumo de laranja e triturar bem cremosa. Servir com pedaços de romanesco (opção)

*Receita de caldo de legumes caseiro

Ingredientes:

2 cenouras
2 talos de aipo
Folhas de 1 talo de aipo
4 ramos de coentros
1 cebola grande
2 L de água
2 folhas de louro frescas
5 grãos de pimenta-do-reino
1 batata
1 tomate

Preparação:

Lave todos os ingredientes.

Depois é só descascar a cebola e cortar em 4.

Agora descasque a cenoura e corte às rodelas grossas. O aipo também deve ser cortado em pedaços grandes, assim como a batata e o tomate.

De seguida é só juntar todos os ingredientes numa panela, adicionar a água e levar a lume alto e, assim que começar a ferver, baixar o lume e cozinhar durante 30 minutos.

Depois, coe e coloque em formas de gelo e congele.

Os caldos de legumes caseiros aguentam até 3 meses no congelador!

Bolo de chocolate com feijão (fondant de chocolate)

Para uma sobremesa hiper-proteica e saudável, opte por este bolo de chocolate (fondant) e feijão vermelho! Na verdade, os feijões contêm proteínas vegetais! Esportistas ou não, não hesite em degustar esse bolo antes de uma atividade esportiva ou na hora do lanche. Tenha certeza, não vamos sentir o gosto o feijão. Pelo contrário, eles trarão uma textura extra suave para sua sobremesa saudável.
Um bolo sem gluten e sem gordura. A prova de que podemos nos divertir sem explodir o contador de calorias

Ingredientes

150 gr feijão
120gr de chocolate
36gr de Acuçar Amarelo
0.5col.sopa de oleo(de Coco)
2Ovos

Preparação

1.
Coloque no copo do mixer, os feijões cozidos (e escorridos), o açúcar e o óleo de coco. Misture finamente.
2.
Derreta o chocolate (em banho-maria) e junte-o a misture anterior.
3.
Coloque também os ovos (já batidos em ponto de omelete). Misture bem.
4.
Verta/despeje essa massa numa forma já untada. Leve ao forno por 15 minutos a 180°C.

Feijao catarino

O feijão apresenta inúmeras vantagens do ponto de vista nutricional e ambiental.

 À semelhança de outras leguminosas, o feijão, desempenha um papel fundamental no controlo do apetite, devido à sua composição rica em proteína, fibra e hidratos de carbono de absorção lenta;

 Ao contrário do que muitos pensam, o feijão apresenta um baixo valor energético (cerca de 100 kcal por 100g) e uma baixa percentagem  de gordura, contendo pequenas quantidades de ácidos gordos do “tipo ómega-3”; 

 O feijão apresenta uma valor apreciável de proteínas, embora incompletas. Para que sejam devidamente aproveitadas pelo organismo devem ser combinadas com cereais, como o arroz; 

– O feijão é uma excelente fonte de vitaminas, minerais e antioxidantes, nomeadamente, de ácido fólico, vitaminas do complexo B, ferro, zinco, cálcio, flavenoides, ácido fítico e compostos fenólicos; 

 Possui um efeito protetor para as doenças cardiovasculares e para certos tipos de cancro. A sua capacidade de reduzir o indíce glicémico das refeições onde está presente, confere um efeito protetor face a doenças como a diabetes. A presença de fitoquimícos com propriedades anti-inflamatórias e anti-oxidantes no feijão pode ser particularmente relevante na proteção das células;

– A enorme variedade de feijão, manteiga, encarnado, frade, branco, preto, catarino, permite a preparação de diversos pratos que podem ser incluídos na nossa alimentação. Seja na sopa, em saladas, como acompanhamento, em feijoadas e até mesmo em sobremesas; 

 O cultivo e a produção  de feijão é importante para a proteção do ambiente. O feijão, à semelhança de outras leguminosas, possui a capacidade de produzir naturalmente azoto, não sendo necessário a utilização de fertilizantes azotados que requerem maiores gastos e poluição para a sua produção

Grão a Grão

Esta semana pedi à Filipa a nossa Nutricionista para escrever sobre o Grão, é algo que não nos pedem muito mas que adoro e tem enorme potencial.

Então a Filipa diz assim:
A importância das leguminosas!Grão-a-grão enriquecendo a nossa alimentação, é esta a importância destes pequenos alimentos. O meu tipo de “super alimento”, local, sazonal e nutricionalmente equilibrado.Muito mais do que uma excelente fonte de fibra, são também uma boa fonte de proteínas, embora que, de baixo valor biológico.

Curiosidade:
Sabia que a maioria da proteína vegetal é de baixo valor biológico, ou seja incompleta. Na prática, apenas significa que, não contém todos os aminoácidos essenciais, ao contrário da proteína animal. No entanto, este facto é apenas relevante para dietas vegan, onde é necessário que haja uma ingestão de alimentos complementares (cereais integrais), ou seja, que forneçam os aminoácidos em falta. Nenhum bicho-de-sete-cabeças!

O grão-de-bico destaca-se pela sua composição nutricional. A sua riqueza em minerais como o ferro, zinco, fósforo, magnésio, potássio e ácido fólico, manganésio e ainda de vitaminas do complexo B, coloca esta leguminosa na lista dos alimentos de consumo regular.

É já conhecido que o seu elevado teor de fibras contribui para a redução dos níveis plasmáticos de colesterol-LDL e triglicéridos, bem como para a normalização da glicémia, contribuindo ainda para o bom funcionamento intestinal. No entanto, em indivíduos com síndrome do intestino irritável, deve ser averiguada a sua tolerância. Contribui ainda para a normalização da tensão arterial e prevenção de doenças crónicas.

De acordo com a roda dos alimentos, as leguminosas devem fazer parte da nossa alimentação diária. Sendo a dose recomendada de 1-2 porções/dia, correspondendo a:

  • 1 colher de sopa de leguminosas secas (25g)
  • 3 colheres de sopa de leguminosas cozinhadas (80g)

Uma vez que as leguminosas são igualmente ricas em componentes tóxicos e anti-nutricionais (inibem a absorção de proteínas, vitaminas e minerais), é necessário seguir alguns passos para que estes sejam eliminados, e assim, aumentar a biodisponibilidade dos seus constituintes e ainda melhorar a sua digestibilidade.

Cuidados a ter:

  • Evitar as leguminosas de conserva, preferindo adquirir leguminosas secas biológicas
  • Demolhar (8-14h)
  • Escorrer e passar por água
  • Germinar (opcional)
  • Cozinhar a elevada temperatura

Pode optar por cozinhar uma grande quantidade de grão e armazenar no congelador em porções individuais.

Esta semana decidi fazer Húmus. Quando já ia toda lançada reparei que não tinha tahine, por isso partilho uma versão de patê de grão improvisado. Igualmente delicioso!

Patê de grão improvisado
Ingredientes:

  • 300g de grão de bico cozido
  • 2-3c. de sopa de azeite
  • 1-2 c. de sopa de óleo de sésamo ou tahine (opcional)
  • Sumo de 1 limão pequeno
  • 1 dente de alho
  • 1 c. chá de cânhamo em pó (opcional)
  • 3 c. de sopa de água da confeção do grão
  • Pitada de sal, pimenta, cominhos, açafrão, pimentão-doce
  • Sementes de sésamo tostadas

Preparação:
Juntar todos os ingredientes num processador de alimentos, à exceção das sementes de sésamo, e triturar até obter uma pasta. Retificar a consistência ou temperos. Verter para uma taça, polvilhar com as sementes de sésamo e está pronto a consumir.

Como quis aproveitar ao máximo o grão cozinhado, resolvi experimentar uma receita antiga. A primeira vez que tentei fazer grão tostado o resultado imediato ficou tal como esperava, mas ao fim de 2 dias armazenado hermeticamente, a textura ficou demasiado maçuda. Desta vez resolvi experimentar uma nova abordagem.

Resultado final: grão estaladiço e crocante, sempre pronto a comer!

Grão tostado
Ingredientes:

  • 300g de grão cozido, escorrido e seco*
  • 1 c. sopa de azeite
  • 1 c. chá de sal e pimenta preta
  • Especiarias e/ou ervas aromáticas a gosto

*se o grão não estiver demasiado cozinhado, pode esfregar entre duas toalhas ou papel de cozinha, o que também ajuda a pele a sair. Confesso que esta técnica não resultou comigo e tive de recorrer ao secador do cabelo para retirar o excesso de água.

Preparação

  1. Pré-aquecer o forno a cerca de 200ºC
  2. Envolver o azeite no grão, até que fique todo bem revestido
  3. Adicionar o sal e a pimenta e envolver novamente
  4. Reduzir a temperatura para 180ºC e tostar o grão cerca de 30-40 min. Verificar a cada 15 minutos para evitar que queime.
  5. Passado este tempo desligar o forno, e deixar o grão dentro do forno por mais 30-40 minutos. Continuar a verificar a cada 10 minutos para que não queime.
  6. Quando terminado prove e acrescente os temperos a seu gosto. (Como usei sal com ervas aromáticas, não acrescentei mais nada.)

Nota: Ajuste a temperatura e tempo consoante a quantidade de grão e de acordo com o seu forno. É importante cumprir o passo 5 para garantir que o grão fica seco e bem crocante.

The importance of legumes!

Chickpeas definitely enrich our nutrition.

It´s my kind of “super food”, seasonal, local and nutritionally balanced.

A good source of fiber and protein, although incomplete.

Curiosity:

Did you knew that vegetable proteins are of lower quality than animal protein? Contrary to animal protein, they have deficiencies in some amino acids (limiting amino acids). However, it’s only relevant in vegan diets, where the combination of complementary foods (whole grains) helps to achieve the whole range of essential amino acids, thus complete protein.

Garbanzo beans or chickpeas, are a great source of minerals such as iron, zinc, phosphorus, magnesium, potassium, folate, and vitamins B. For this reason they should be eaten regularly.

Due to their fiber content, they promote a decrease in LDL-cholesterol and triglycerides, balance blood sugar and contribute to a healthy intestinal function and gut microbiome. However, patients with IBS (irritable bowel syndrome) should be aware of their tolerance. Chickpeas also helps to normalize blood pressure and prevent chronic diseases.

According to the food balance wheel, we should eat 1-2 portions of legumes every day.

Portion:

  • 1 tbsp of dried legumes (25g)
  • 3 tbsp of cooked legumes (80g)

However legumes have high content of toxic and anti-nutritional components, so it’s important to take some steps to eliminate them, such as:

 

  • Avoid canned, prefer organic and dried legumes
  • Soak (8-14 hours)
  • Drain and rinse
  • Sprout (optional)
  • Cook

 

This will promote better digestion and increased bioavailability thus better absorption of their vitamins and minerals.

This week I decided to make Humus, when I realized I didn’t had tahini. I´ll share an improvised version.

 

Chickpea spread

Ingredients:

  • 300g cooked chickpeas
  • 2-3 tbsp. olive oil
  • 1-2 tbsp. sesame oil / tahini (optional)
  • Lemon juice of 1 small lemon
  • 1 small garlic clove
  • 1 tsp hemp seeds, powder
  • 3 tbsp. of water/cooking water
  • Salt and pepper to taste
  • Ground cumin, paprika and saffron, to taste
  • Toasted sesame seeds

Method:

Combine all the ingredients, except sesame seeds, in a food processor. Blend for 30 seconds, scrape the sides and bottom of the bowl then process another 30 seconds or until well blended. Adjust consistency and flavour. Transfer to a bowl and sprinkle with toasted sesame seeds.

I had extra chickpeas so I wanted to try another recipe. The first time I tried roasted chickpeas the result was good but after a day or two, they were too mushy. So I decided to try again, but this time with a different approach.

End result: crispy chickpeas, always ready to eat!

 Toasted Chickpeas

Ingredients:

  • 300g cooked, drained and dried* chickpeas
  • 1 tbsp olive oil
  • 1 tsp salt and pepper
  • Herbs and spices at taste

*if the chickpeas aren’t overcooked, you can dry them between two paper towels. I confess that I used the blow drier to take out the excess of water.

 Method:

  1. Preheat oven at 200ºC
  2. In a bowl, toss the chickpeas with olive oil to coat.
  3. Combine with 1 teaspoon of sea salt
  4. Transfer the chickpeas to an oven tray and roast them at 200-180ºC about 30-40 minutes. Check every 15 minutes to avoid burning
  5. Turn off the oven and let them stay inside more 30-40 minutes, checking color and consistency every 10 minutes.
  6. Add seasonings at your taste. You can use herbs such as rosemary and thyme or spices as paprika.

 Note: adjust time and temperature according to the quantity of chickpeas and your oven. To achieve a dried and crispy result you should respect the step 5.